segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Done.

Foto: Vanessa Komatsu

Chega daqui.


now, here:
http://borbolebole.blogspot.com/


sejam bem vindos, os bobos! ^~

pq como diz um amigo meu: "é muito chato ser sério", algo assim....

fato!


ficamos no lugar que queremos. temos nossas necessidades enquanto humanos.
mas saber que onde estamos é por causa de nossos pés e que basta relembrar os pés ou as asas para sair de onde nos colocamos, seja por quanto tempo for, depende de nós (isso sempre me lembra criança esperança. rs), entonces. Eis minha hora de zarpar daqui.

pq aumentar e diminuir é continuar do mesmo tamanho

e regressar e ir pra frente é continuar no mesmo lugar.

por mais que se diga que não. esse espaço não faz mais sentido pra mim agora.

sigam-me os bons! ^~

o texto das 3 palavras

ainda presa e perdida entre os pertences e não pertences

o lugar a que não pertence, que nunca teve segurança suficiente para enfrentar enquanto seu.

os costumes a corrompem.

a solidão que apavora.

as flores lhe fazem companhia assim como o bracelete que ganhara para achar sua fortaleza, ou alguma primeira desculpa.

pra começar.
algo pra lhe dar força

inventar motivos, só que dessa vez pra enfrentar o que for.

ela mesma.

ressignificações.

assim vamos.

saudade do que não há, não está.

óbvio, sabe-se disso.

vontade de fuga para qualquer lugar que não nela mesma. esse lugar vazio e pronto ao mesmo tempo.

qualquer voz que a ajude a se construir, como vê acontecer com tantos por aí.

espera o começo das aulas.  muito por desespero do que por desejo.

ver pessoas, mesmo que as que um dia rejeitou de alguma forma. não serviam.

superação. muito além da simples e depois muito complexa anulação do seu próprio eu, a sua mais delicada beleza que quer explodir de si mesma.

as flores que sempre cheiram para fora de seus gestos quando alguém lhe chega perto.

o botão que insiste em se conter em abrir ao ver o sol chegar.

ainda noturna.

o carinho pelo que foi ainda lhe resta.

deixou ir, mas prega seus pés no chão para não cair. prende suas mãos também.

por hora dói. e só dói. a ansiedade, o desamparo, a carência doentia, porque faz mal.

e as tarefas são tantas. dentro e fora de casa.

hora de rever os conceitos. do que foi, do que quer que seja de fato.
e a maneira de como fará daqui pra frente.

enfrentamento.

buscar coisas e mais ainda, que lhe interessem para si mesma, pra mais ninguém.

ao som de Ceumar ela começa a reassumir seus sentimentos e profundezas. quer não voltar a ser doente, mas quer voltar a ser gente.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

rodarodadaindoidada

http://www.youtube.com/watch?v=ybSToMkgzCQ&NR=1&feature=endscreen



Roda Viva

Chico Buarque



"Tem dias que a gente se sente
Como quem partiu ou morreu
A gente estancou de repente
Ou foi o mundo então que cresceu...

A gente quer ter voz ativa
No nosso destino mandar
Mas eis que chega a roda viva
E carrega o destino prá lá ...

Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração...

A gente vai contra a corrente
Até não poder resistir
Na volta do barco é que sente
O quanto deixou de cumprir
Faz tempo que a gente cultiva
A mais linda roseira que há
Mas eis que chega a roda viva
E carrega a roseira prá lá...

Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração...

A roda da saia mulata
Não quer mais rodar não senhor
Não posso fazer serenata
A roda de samba acabou...
A gente toma a iniciativa
Viola na rua a cantar
Mas eis que chega a roda viva
E carrega a viola prá lá...

Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração...

O samba, a viola, a roseira
Que um dia a fogueira queimou
Foi tudo ilusão passageira
Que a brisa primeira levou...

No peito a saudade cativa
Faz força pro tempo parar
Mas eis que chega a roda viva
E carrega a saudade prá lá ...

Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração..."

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Los "hemanando.."

Agora vejo o quanto ele cresceu

e do verso de uma canção que ele cantou

hoje me faço no lugar daquele, que o amor quis, seu jeito torto de amar...
eu não quis.

"Eu ando sempre pra sentir vontade"

hoje, relendo-te, meu caro, não tão valorizado outrora, agora sim.
nunca tarde.

vejo a imaturidade que me pulsava vazando pelos poros...
e o jeito torto que o amor nos comeu.

te entender não é pra consolar não.


coisas que provavelmente nunca lerá.
você não precisa me ler.
eu precisava reler.
compreender.

eu precisava escrever, mesmo que não o leia.

esse texto é pra você.

desejo-te o melhor.

perdão covarde.
porque a culpa não compensa.
e continuar com isso é crueldade. admito hoje: da minha parte.

olhar tristonho... mas brilhante.
hoje toca violão e apresenta coisas importantes, escolhi não mais. ESTAR.

certo. mal estar. pausado. dentro de um compasso de uma música qualquer....

Sensations...

E a impressão que você deixou alguma coisa passar.
Que você esqueceu de dizer algo, que ainda precisa consertar tantas coisas.

Quando se vê que não está mais vivendo naquele tempo, nem com as mesmas pessoas das quais pensava..

As pessoas mudam.
Eu mudei.

Tantos mal entendidos, tanta dor, tanta raiva, tanta tristeza, brigas, revoltas, conversas desnecessárias.

Acho que por isso temos consciência.
Pra lembrar de tudo isso e rever certas posturas nossas.

Não dá pra voltar e consertar as coisas
Nem tentar fazer as pessoas voltarem no tempo com você para você se desculpar, para que você se sinta mais leve, para que tenhamos perdão, para que nos perdoemos de algo.

Simplesmente: não é simples.

Como disse minha mãe hoje, a coisa mais sábia que ouvi dela em vinte e três anos, com explicações, é claro: "não é tão simples"

E realmente não é.

Todo mundo erra, comigo não ia ser diferente
E o fantasma do remorso de tantas coisas que ficaram em aberto no passado.. atormenta e atrasa a vida.

As vezes tenho a impressão de que certas feridas não cicatrizam enquanto não pararmos de olhar para elas enquanto uma ferida.

Deve ser mesmo tudo uma questão de perspectiva.

Who?

Eu sou a pessoa que lê as frases, quando em português, ao invés de só olhar a imagem..

Eu sou a pessoa que lê vários livros ao mesmo tempo para não ficar massante.

Eu sou a pessoa que sente intensamente cada gesto de cada pessoa, mesmo que não seja intencional.

Eu sou a pessoa que busca amor, que vive e se doa.

Eu sou uma pessoa estranha, que por mais que tente, jamais perde a esperança.

Só não me perguntem de quê.

sempre adorei essa menina..

http://www.youtube.com/watch?NR=1&feature=endscreen&v=f7UBDGt8VK8



"pode falar que eu não ligo, agora amigo
eu to em outra
eu to ficando velha
eu to ficando louca
pode avisar que eu não vou ooooooo
eu to na estrada
eu nunca sei da hora
eu nunca sei de nada


nem vem tirar meu riso froxo
com algum conselho
que hoje eu passei batom vermelho
eu tenho, eu te dou alegria como dom
em cada canto vejo o lado bom


pode falar que eu nem ligo
agora eu sigo o meu nariz
respiro fundo e canto
mesmo que um tanto rouca

pode falar não me importa!
o que tenho de torta
eu tenho de feliz!
eu vou cambaleando
de perna bamba e solta

nem vem tirar meu riso froxo
com algum conselho
que hoje eu passei batom vermelho
eu tenho, te dou alegria como dom
em cada canto vejo o lado bom"

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

enfeite confete encontro

Foi como recriar um mundo
Onde podia rodopiar
Ninguém pra criticar, proteção.

Ninguém a veria também.

Correndo com seu vestido colorido,
pelas ruas a sorrir sem olhar pra trás.
Como livre de tudo que sempre quis.

Enfeites que criou. No seu próprio rosto
desde sorrisos até cambalhotas, pintadas em risos largos

Pena talvez ter passado carnaval. Temporada.
O confete da festa já no chão, sem brilho, sujo.
Passou como tudo passa um dia, segue passageira, passeante, passeata.

Pisada, passante, passista.
ao encontro do que nunca foi
A poesia que lhe sopra de ventos desconhecidos até então.

Vai descobrir. Talvez não.
Segue ao encontro, da vida que por tanto tempo lhe faltou.
Vinte e três anos, três meses, três dias e três horas e nove minutos..

Penou. Mas se encontrou. Basta para cantar
mesmo que quieta, silenciosa melodia não mais pra ninar
qualquer medo, qualquer tristeza, mas pra acordar!
Toda alegria, toda vida que há.

Sobre o amor

item 2: O Amor Não É Para Os Fortes

Sobre o amor

item 1:  O Amor Não É Para Os Fracos

solidão

Imagem: google imagens


sólido que deixa dolorido...
uma saudade, mas de algo que não sei o que.

"sai do sóli, minini!",  já dizia Manolis...



soli

dão

talvez um sólido bem grandão!

talvez seja por isso que pesa tanto.
estar só.

quando com alguém e se sente assim, parece pesar mais.
antes fosse mesmo sólido, pra poder pegar, conhecer, quebrar.

mas nada parece tão etéreo como a solidão.

estar só é um estado curioso
sentir solidão pode ser doentio, prejudicial, maléfico, venenoso para o corpo, para a alma.

mas pode ser rico em questão de conhecimento de si, dos outros, de alguma coisa que acontece.. ("no meu coração".. rs é. também).

solidão é mais que um estado sólido, talvez seja um estado físico.
talvez da física maluca em que tudo é possível, mas quase nada é aplicável.
talvez do físico da gente, que insiste.

solidão faz a gente sentir falta
de algo. mas a gente nunca sabe o quê.
a gente só descobre quando encontra, mas daí...

não tem mais sólido pra sentir nada igual..

[apenas suposições...]

Olhares



E quando eu acho que não, que o que eu disse, fiz ou senti era bobo, irrelevante, ignorável, estúpido...

Sempre com essa maldita insegurança vadia a me fazer depender do que não me convém. De pessoas, de lugares, de situações.

Mas sempre, ao me reforçar enquanto certeza de mim mesma, o comentário, o olhar do outro dado de presente, com carinho, com beleza, com leveza, com igualdade de curtições e as vezes, desgostos.. Sempre existe algo bom quando acreditamos que há.

Parece uma recompensa pra tudo isso, afinal.
Tanto tempo reclusa de mim mesma, aparecer tem suas recompensas..

Nunca quis me mostrar melhor que ninguém, talvez o superego sobrecarregue algumas colocações, falha humana, eu diria. Apenas me colocar enquanto gente, enquanto gente que sente e pensa, talvez diferente da maioria, mas mesmo assim vive ou tenta: sobreviver.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

o que não está mais. bem...

Foto: Murillo Leal


Engraçado pensar sobre essa questão de num momento estar e no outro não mais.
As coisas realmente são transitórias. 
Principalmente se mal cuidadas, abandonadas...
Teatro Ouro Verde em Londrina.
Pedaço dos mais importantes de eventos, teatros, festivais de música, TCC's de música, eventos, palestras, apresentações mil...

Um lugar que recebeu tantas pessoas incríveis, onde já pisei no palco e nos bastidores, onde já me apresentei.
Lugar onde fui assistir à tantas apresentações ótimas de artes cênicas, dança..

Pena. E ao mesmo tempo. É preciso acontecer esse tipo de coisa, destruição, danos desse tipo pra que pensem sobre melhoras e recursos para manter certas coisas importantes como esse teatro.

Essa cidade, Londrina, tem muito disso, falta de memória, a insensibilidade sobre o que é antigo, ao que se tomba, mas não o tombar de conservar, mas o de colocar abaixo com paredes e tudo.

Nesse caso, fogo.

RenovAção.
É preciso.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Outros ângulos da mesma janela

Foto: Vanessa Komatsu



O que me fez/faz pensar sobre olhar o mesmo lugar, de anos até, com um olhar diferente.
Olhar a mesma situação, que se vive por muito tempo, de outros lugares.
Sair da mesmice de achar que nada mudou, que nada, além daquilo que se vê até então, existe.
Porque existe. Às vezes, sempre existiu, sempre esteve lá. 
Porém tem hora certa para despertar certos olhares, certas posturas, certos lugares.

"E" e "E cortado"

eis a imagem: by Vanessa Komatsu




Sobre pertencer
Não à alguém.
Mas a algum lugar.
Não lugar fictício.
Lugar físico.

E sobre o não pertencer
Exatamente por não ser fixo.
Por nunca ter se fixado de fato
Por não querer se fixar a lugar algum

Vamos colecionando pessoas,
línguas, sotaques, gírias, costumes.
Culturas diferentes, cores de pele diferente, amores diferentes.
São jeitos de falar, educação, lógicas diferentes.

São tempos de pensamento e de ação muito diferentes.
São preguiças diferentes.

São medos e receios, são coragens e enfrentamentos 
São maturidades, discussões, assuntos, modas diferentes
Depende do lugar em qual você se aloca..

Mas e quando de tanto mudar
você não se sente pertencendo a lugar algum?
Quando as saudades se cruzam e quando muito, se dissolvem?
Impossível rever todos que se tem saudade.

A saudade se ameniza com o tempo..
Questão de sobrevivência. Porque a saudade dói.

Mas e essa sensação forte de não pertencer a lugar algum?
Mesmo conhecendo parte e sentindo-se parte de muitos lugares?

Afinal, se viveu. 
Foi vivido coisas em certos lugares, muitas coisas, por sinal.
São lugares, cheiros, cores.

São céus, nuvens, cor de azul diferente.
A cor da terra, a secura, as chuvas, as ruas.

Cada lugar com sua peculiaridade

Somos sempre pedaços.
De várias coisas desde que ainda estamos na barriga da mãe.
Pedaços de comentários tentando acertar qual o nosso sexo, qual será a nossa cara, do pai ou da mãe.
Pedaços de músicas que se coloca pra ouvirmos, pra mãe sentir um leve chute e ficar feliz.
Pedaços de infinitas pessoas, as quais convivemos as vezes até apenas segundos da nossa existência, as vezes menos que isso, em um rápido olhar nos olhos, pode fazer toda a diferença.

Mas tudo isso passa.
O que fica é o que se constrói pra si dentro de si.

Esse lugar. Interno. Só nós podemos dizer: onde nos encontramos, à que pertencemos.
Isso meio que fecha a grande questão.
E só.


domingo, 5 de fevereiro de 2012

Rumos

As coisas mudaram quando ela passou a se colocar.

graça

um dia um professor meu nos disse que "a gente ri de coisas que não entendemos"

depois de muitas risadas durante uns vídeos mostrados na aula, ele confirmou que rimos também por outros motivos.

mas o fato é que é fato.
achamos ou tachamos até de "engraçado" coisas que não entendemos.
uma situação 'curiosa'
sempre nos vem o termo "que engraçado" sem dar nem sequer um riso fraco

não que falte força

isso já não tem nenhuma graça. (risos)

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

definições..

uma delas:

"sua existência sai das normas"