sexta-feira, 25 de novembro de 2011

o riso que vence

dentre tantos motivos pra chorar
tantas razões pra ficar a reclamar

tantos caminhos..

as pessoas são tão diferente da gente..

aproveitar isso para ser feliz ao invés de triste.

ver graça onde a desgraça quer te azedar.

e seguir, com o riso de dentro, com tudo que a vida puder te oferecer!

a vida é como no videogame, você passa por levels
e você tem poderes também, bônus.
se você sorri desse jeito você fica mais forte para passar pelas fases...
a diferença da vida e do videogame é que não dá pra resetar, só "continue".

terça-feira, 8 de novembro de 2011

o fim sempre ligado ao começo

engraçado como que toda vez que a morte
de alguma forma aparece nas nossas vidas
morte física de alguém ou algo;
morte de um amor grande;
morte de algum sonho que não deu certo;
morte de alguma amizade importante;
morte de certos conceitos;
morte de crenças;

a gente começa a repensar a vida.

e o sentido dela pra gente
o sentido das coisas, de todas elas
tudo que faz mal
tudo que faz bem
o sorriso que vem
parece tão sem sentido
mas vem!

a liberdade de ter
um novo começo
pra si mesmo
mesmo depois da morte

passo de tartaruga ou de gente

tanto faz a velocidade

desrespeitando um a necessidade do outro
não chegaremos muito longe

parece que tem horas que entramos em sintonia com o mundo
antes isso fosse uma justificativa pra alguma coisa...

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

quando escrever parece entender

quando o desespero domina a casa
o ambiente que me rodeia
o corpo que me habita
a solidão que se aloja.

resistência ao desfazer as malas.



quinta-feira, 3 de novembro de 2011

sobre a liberdade

liberdade de poder tomar uma decisão.
liberdade de poder tocar o pé no chão.
de ter certezas que as próprias certezas desviam
de ter a liberdade de poder ser
de poder estar
a cada instante
mesmo que de formas diferentes

permanecer de alguma forma
em alguma cor, sabor, cheiro

liberdade de poder terminar o que foi começado
de dar fim ao que não pode mais, ser.
liberdade de poder sentir a leveza da decisão tomada.
liberdade da possibilidade do erro, e de corrigí-lo.

liberdade de libertar
liberdade que liberta
liberdade que embebe o corpo numa mistura mista de sabores incontidos

liberdade de brincar com as palavras
e não mais com a vida em si mesma
as palavras fazem mais sentido que a própria vida as vezes.

liberdade de pegar na mão e de poder soltar
liberdade de apertar a mão
liberdade de chorar
liberdade pra ter medo
liberdade pra um abraço
liberdade pra se compartilhar
mesmo que em pedaços
(porque nunca é tudo)
pra alguém em algum momento

liberdade.
sinônimo
de autonomia
de independência
de ausência de submissão
de pensar

auto afirmação do Ego
e sua existência.

nasce-se de novo.
um recomeço.

de novo, eu recomeço em vontades
de liberdade.


(e mesmo com todas essas palavras, parece tão pouco para explicar algo tão grande!)

serena

"Maternidade não é apenas um tema, a mulher e as crianças existem concretamente, estão vivas. Nem tristes nem alegres. Serenas."

Frederico Morais, O Globo, 1975