segunda-feira, 26 de setembro de 2011

quando casa

quando sua casa está uma zona, mas é reflexo de como as coisas estão pra você.
sua vida, suas coisas, sua mente..
inteiramente bagunçada.

e essa indisposição e cansaço de tudo..
sem nem assim desistir.

amanhã é sempre um novo.
novo dia, nova vida, novas tentativas e desafios..
só nós que parecemos velhos as vezes.
envelhecidos pelo não-prazer de algumas várias obrigações.

domingo, 25 de setembro de 2011

o que

o que não tem cura. o que perdura. o que morde. o que te pena. o que te seca. o que sorve. o que te mista, mistura, candura, alegria, bobagem, risos molhados de crises de risos soltos.. o que falta. o que te mata, o que te nega. o que te mede, o que te pede, o que te poda, o que mais pode? o que mais presta? o que te empresta. o que te empasta, te peça, te impeça. o que teça, o que mais pesa? o que te leva, o que você leva de tudo isso que de tanto pensar.. se perdeu.

sábado, 24 de setembro de 2011

palavras

engraçado como "não sou"
tem uma força pra quem lê
e um alívio pra quem escreve.

esquivo

equívoco

e no fim.. bem vinda seja a primavera..!

depois de tanta tempestada, cinza, cinza, cinza....

flores, cores e cheiros..!

as promessas que um dia a flor sabia que receberia
de uma chuva refrescante. chegou o dia!

aqui já falo de pronto: alegria!

começo de uma nova era.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

não sou

eu não sou quem você imagina

e eu nunca quis que imaginasse..





labirinto a desvendar..
não existe o fim do labirinto.

Compromisso

Eu devo ser muito antiga ou as pessoas realmente são muito diferente e eu não consigo entender.

Senso de compromisso.

Combinado é combinado, certo?
Errado. Ou deve parecer errado as vezes para algumas pessoas com quem convivo..

E na verdade, pra que esquentar a cabeça quando não tem como mudar o que as pessoas pensam ou sentem? Eu queria realmente só entender o que se passa na cabeça, qual a linha de raciocínio, se é que existe uma ou é realmente só uma pitada de falta de consideração.

Não é a primeira vez, nem a segunda que me deixam na mão esse ano.

E engraçado o poder que as pessoas que estão mais próximas, que a gente mais ajuda, mais se importa, mais dá atenção, mais cuida, são as que mais folgam e demonstram esse tipo de coisa que eu nem sei nomear, o poder que essas pessoas tem de nos magoar. Tanto maior a consideração pela pessoa, maior é o nível da ferida. Intencional ou não. Pequenos gestos fazem toda uma diferença.

De nos deixarem com cara de idiota, na posição de troxa. De ter feito o trabalho pelo outro, esperando uma compensação mais tarde, isso não chegar.

Mais que isso é realmente perceber que as pessoas ao invés de entenderem e valorizarem o carinho que recebem e tem, ao notarem o que tem, tratam a pessoa que ama, gosta, de um jeito desrespeitoso, como se essa pessoa fosse suportar tudo, como se essa pessoa fosse te perdoar por isso ou aquilo, porque afinal: não está fazendo nada de errado.

Mas sei lá, imagina esse um monte de coisinhas juntas, esse monte de gestos falhos juntos em anos, errados, mas considerados nada por alguma ou ambas as partes de uma relação, seja namoro, seja casamento, seja amizade, seja coleguismo.

Não há relação que aguente ou dure assim.

É engraçado. Me sinto velha pensando essas coisas. Mas não consigo realmente entender.

Pra mim, intimidade não é sinônimo de falta de respeito, de permissão a um desrespeito, seja ele qual for, de que nível for, de que meio venha a acontecer, que intensidade. Quando as coisas começam mal, dificilmente se ajeitam mais tarde. A gente se acostuma com o que é melhor pra gente, e infelizmente as vezes é o melhor estar por cima de outro, e não me refiro a posições sexuais aqui.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

"não interessa!"

Porque as vezes é realmente isso e só.
Simplesmente como um ponto final.
Exatamente como um ponto final.

Que finda não só uma frase, um livro, mas uma história, uma vida, uma amizade, um relacionamento qualquer que seja sua natureza.

Não interessa a fase ruim que você está passando.
O tom que usamos para falar com as pessoas sempre conta muito.
As vezes simplesmente não toleramos o que muitas vezes vamos fazer mais tarde.
Muitas vezes não compreendemos o outro e por não compreender julgamos estarem errados.
E as vezes estão mesmo.

No fim o que realmente conta e importa é a decisão.
O que faremos com isso ou aquilo que nos chega como informação, questionamento, cutucada, alfinetada, com maciez, com carinho, com amor, com paixão.

Como receber, digerir, processar, reprocessar, absorver ou não e desenvolver isso num retorno pra pessoa ou situação?

O processo que ninguém vê, a maioria te dirá: "Não interessa"
em todas as áreas, em todos os âmbitos, seja via currículo, seja via processo artístico, processo de desenvolvimento em cursos, em papéis que se acumulam em pastas de atividades que vc já desenvolveu. Sem isso, o que somos?

Quem considera e por quê?

paralelismo

tudo depende de como se aborda o assunto sobre qualquer coisa com qualquer pessoa.

porque cada situação difere em cada instante diferente, instâncias mudam conforme mudam os indivíduos com quem nos relacionamos [porque a palavra já diz: individual, ser único, com bagagens de informações diferentes].

o legal é colecionar abordagens pra saber quais usar nas situações diversas pela vidinha.

[não falei que é fácil nem que tenho todas ou algumas abordagens, foi só um pensamento mesmo..]

domingo, 18 de setembro de 2011

Pinta por cima

Quando a brincadeira se extende.

Além do engraçado passa a ser agressivo. E nessa internet, sem expressões faciais, quando muito representadas por emotions (=P; xD; =´[; =]), não dizem nem metade do que um 'pessoalmente' teria feito, faria efeito.

Você erra, explica o mal entendido, pois eles acontecem. Uma letra fora do lugar, um ponto de exclamação, um ponto fora do lugar, uma vírgula. Uma mensagem colocada em lugar errada, enviada pra pessoa errada. Pode causar grandes felicidades como grandes tragédias. A gente usa esse argumento de limitação dos meios que usamos para nos comunicar, ou tentar comunicar algumas coisas.

Nem sempre funciona.

Pinta por cima e continua se lhe interessar continuar. É o jeito. Seria mais fácil jogar uma bomba e explodir tudo, mesmo que fique só na vontade, mas... é. Talvez não seja. Então pinta por cima e continua.

sábado, 17 de setembro de 2011

quebras

o que te faz romper com suas próprias barreiras?
princípios, limites..?

quando se é convencido? quando se é conquistado?

amanhecido? amaciado?

é tudo uma questão de poder.

e no fundo, nunca perder o seu próprio pra você mesmo.

sobre ciclos e crises

Por Vanessa Komatsu



oO


sexta-feira, 16 de setembro de 2011

crises

Benditas sejam. como diria uma amiga queridíssima minha.

Depois do "tá tudo errado" e o desespero...

uma parcela,mesmo que mínima de calmaria.

observação

estava com saudade de postar aqui.. o blog fica fora do ar por mais de semana ¬¬'

mas tá.. não vamos reclamar que a lei de murhphy [ou smurf, como quiser.. haha] existe.. e parecem que existe uma conspiração sobre os objetos de informática e tecnologia... enfim.. bora parar de falar disso.

[daí abre o blog hoje a tarde e encontra: "site indisponível no momento" né?. pra acabar. =x vai dar tudo certo. vai dar tudo certo. ele vai continuar no ar.  figuinhas.]

pernas [pro ar (?)]

Foto: Vanessa Komatsu


Quando as coisas parecem inverter o sentido
e o sentido que não fazia sentido começa a fazer sentido..
Quando as pernas já nos dizem: cansei.
Mas a vida nos mostra chão... pra uma longa caminhada ainda..
Vendo no horizonte a miragem talvez 
de um lugar pra repouso. 
Continuo contínuo sem outra maneira de ser.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Sin ["sim" errado ou "sem" em espanhol]

Sabe quando vc percebe as coisas boas, mas o salgado das lágrimas vive na sua boca?


Quando todo dia acontece alguma coisa que te põe pra baixo mas de um jeito que complica pra voltar ao "normal"... Enquanto que falar e assistir é fácil.. Quero ver fazer ficar fácil mesmo.

As coisas boas NÃO SUPERAM as coisas ruins.. [elas se complementam? é preciso muita reflexão quem disser que sim..]
E eu que pensava que só as coisas boas aconteciam como reação em cadeia..
Me enganei.


Talvez eu perceba mais as boas, pela surpresa.. [como sou pessimista! será que então sempre espero o pior? É... também não é bem assim, ou melhor, não é exatamente assim.]

Os remédios antigos não parecem mais fazer efeito: flores, borboletas, sorriso, riso..
Eles sem a poesia que falta nos dias, sem a poética que está implícita em cada gesto, em cada ato..
Nada faz sentido. Não pra mim, pelo menos.
E a vida passa a ficar sem gosto, sem cheiro, sem cores.. sem brilho, sem forma.. nem gestos..
Morta. Vazia. Seca.

E vc sabe qual será suas novas "soluções"?
Qualquer que sejam elas, que não seja a de soluçar!
Nem de choro, nem de ar, só se for de riso.

Mas o soluço é algo que por si só já incomoda
Porque alguma coisa incomodou o corpo primeiro
A velocidade desregulada da respiração
O frio, o batimento cardíaco, o susto ou a falta dele..

Não quero plantar verdades
tampouco colher mentiras por aí..

Mesmo porque tudo sempre é por uma questão de interpretação...
E eu continuo a acreditar que o pior defeito do ser humano é a falha na comunicação.

Pra fechar um trecho do meu mais novo companheiro, via escritos, mas que compartilha comigo muitas das idéias que sempre tive, sobre a vida, sobre a educação, sobre tudo.

"É sempre assim.. É difícil pensar para além da experiência" Rubem Alves

Mesmo porque. Cada um interpreta a informação que recebe do jeito que consegue, com as suas próprias experiências... Ás vezes falta referências para entender muitas coisas... É preciso que quem passa a informação esteja disposto a explicar.. A explicitar... A colocar a informação nova, o novo dado, o ângulo novo, dar possibilidades outras, vias alternativas de entendimento. Ampliar o entendimento das coisas. Porém não basta um lado se esforçar. O diálogo só acontece quando as duas partes participam ativamente. O outro lado tem de estar disposto e interessado em entender e enxergar essas novas possibilidades, novos caminhos de compreensão.

Nem sempre acontece.
As pessoas talvez queiram, mas não conseguem de primeira e logo desistem, mal chegam na segunda tentativa. Se acham incapazes, são julgadas, nunca compreendidas, muito menos incentivadas a prosseguir na segunda, terceira, quarta... tentativa.

Somos incentivados a ser compreendidos, a defender o nosso lado. Não a compreender o outro. Somos treinados para ser os melhores em argumentos, não em compreensão.

Vejo a dificuldade que causa toda essa falta de compreensão alheia, por medo de perder o amigo, professor, emprego, saúde, namorado, marido, esposa, filho,... Medo ou preguiça mesmo de se colocar para ser entendido e fica tudo por isso mesmo: todo mundo entende mais ou menos tudo e todo mundo reclama (alegando que o outro lhe entendeu mal..)e finge que não importa. No final: todo mundo se ferra. E ficamos no "tudo por isso mesmo", que não tem jeito, uma hora pega pra algum dos lados...[que no geral acaba prejudicando todo mundo ou uma maioria].

Revoltinha

Hoje surgiu um pensamento...



Nos tolhem alegando estarem a nos lapidar...

Eu prefiro a forma bruta! Desenvolvê-la!

[forma bruta = forma original, pura, natural; não bruta de brutalidade, não o bruto de violência]

Um salve pra criatividade! é para a alma como a água é para o corpo!

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

cada fase

quando o dia, as pessoas, as coisas, TUDO parece estar do avesso,

mas você

você não.