sexta-feira, 30 de abril de 2010

o que ela dizia.. e o que acontecia

ela dizia ser por pouco tempo..

e assim se passaram anos..

essa distância

quando teve a oportunidade pensou: "posso fazer isso mais tarde"
e no entanto, jamais teve essa mesma oportunidade..
por falta de dinheiro
ora por falta de tempo..
por falta de vontade..
ora por falta de companhia..

a cada passo se distanciava do que um dia foi o que ela mais queria.

até se lembrar.
pegou as malas e foi viajar

sozinha.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

nunca iguais

quando a flor foi abandonada
em seu lindo vasinho..
e a flor pode ser tantas coisas..

perdemos..
constantemente
mas outras brotam...
nunca iguais..

sexta-feira, 23 de abril de 2010

desdentada..

Ela dizia que não precisaria chorar em seu enterro
Pois deixava a vida sem "sôdade"..
Teve por pai o desterro
Por mãe a infelicidade..
Seu pai chegou e lhe disse: "Não há de ter um amor"
Sua mãe veio e lhe notou um colar feito de dor..
Que o tatu prepare a cova
dos seus dentes desdentados..


E quando percebeu
Despertou.

Dos desgraçados sonhos que tinha
Durante suas tardes já cansadas..
Pescando, sua cabeça balançando nos trancos do "busão"
Seu marido a esperava em casa..
Sua filha já precisando sozinha em casa fazendo sei lá o que..
Pouco se importava também..
E o caminho prosseguia
sem mais pensamentos.

Descansar.
Des
cansar
ar.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

"Bloquinho" de anotações

Da exposição do Andy Warhol:

"São os filmes, desde que eles foram inventados, que têm realmente conduzido as coisas na América. Eles mostram o que devemos fazer, como fazê-lo, quando, como se sentir sobre o que fizemos e como aparentar aquilo que sentimos." by Andy Warhol