terça-feira, 29 de dezembro de 2009

cores de uma Pipoca

[Foto: Vanessa Komatsu]
Eu mudo de cor nas minhas mil metamorfoses
Tipo aquela lagarta da Alice, sim! a do País das Maravilhas!
E a cada flor que é despetalada nasce outra e desabrocha
Como arco-íris em forma de fogos de artifícios silenciosos
Dentro do peito.

domingo, 27 de dezembro de 2009

E quando ele vai

SEMPRE deixa saudade.
quando soltamos as mãos
ambas ficam frias e sozinhas.
não me sinto inteira também.
como a lua ontem a noite.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

vermelho e verde. complementares. natal...

sinônimo de hipocrisia pra mim.
triste.
sinônimo de reunião de família.
Presentes! a melhor parte!
comida! muita comida!
sei lá que mais me lembra além do verde e vermelho.
complementares, que dependendo do tom agora me remetem a "amelia poulain" também
sinos, enfeites de árvore de natal! adoro aqueles de madeira, bonequinhos..
esse dia me lembra solidão.
acho que é por isso que me bate essa tristeza todo ano quando essa data chega.
foi-se o tempo de acreditar em papai noel
mas adoro os presentes que ganho..
sempre é bom ter um motivo pra comemorar com os amigos, estar por perto, não importa o que..
então.. boa comilança pra todos e muitos presentes legais! o melhor que consigo tirar dessa data..
apesar de acreditar em jesus e tudo mais.. não acho essa data tão especial quanto os outros dias do ano..

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

arruma arruma

Fazendo uma "limpezinha" de final de ano nas minhas cositas..


[Foto: Vanessa Komatsu]

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Aconchego

[Foto: Vanessa Komatsu]


E o cheirinho do meu quarto.. não tem igual.
Saudades daqui.
Minha janela, meus armários, meu ventilador..
De volta a minha terrinha que não é roxa
Das pessoas que abraçam abraçam

(Fazendo planos)

domingo, 20 de dezembro de 2009

E a beleza se faz..
no primeiro raio de sol
e com o primeiro bom dia:
raiar junto: um sorriso.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Tá.

Deve ser realmente difícil para pessoas difíceis como eu o jogo de cintura.
Idéias discordantes, um ouvido um tanto pontudo demais
"espinho que pinica de pequeno já traz ponta"
como diz a música, e digamos, que sou um tanto espinho.
hunf.


certas conversas são inevitáveis.
talvez essa de manhã tenha servido como trunfo meu.
pessoas que já perguntam sem querer saber realmente o que o outro tem a dizer.
querendo impôr a seu modo, a maneira que as coisas teriam que ser.


irritante ao extremo.


but né.


foi.


[desabafo]

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Ao levantar

A primeira coisa que ela faz é lavar seu rosto e se dirigir à sala,

abrir a janela silenciosamente e sentir o frescor da manhã em seu rosto de sono..

E o dia se inicia..

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Sigo


[Foto: Vanessa Komatsu]

Muitas pessoas
Passaram.
Por minha vida,
Pela sua.

Estrada essa, secreta
De cada um de nós.
Quem sabe quem virá?

Sabemos quem se foi.
E de todos, quem ficou.
Lembranças, o que marcou

De cada um que por mim,
por você, passou.
Gosto dos meus passos.
Tomo-me em pedaços.

Tomo cuidado
Pra não me derramar demais
Em alguém...

Pois dentro de mim
Tem muitos. Tem muitas.
Me importo. Comporto.

Continuo.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Última semana



[Foto: Vanessa Komatsu]

de 2009 em Londrina.
estudando para a prova de amanhã..
História da Arte..
espero logo, ter absorvido algo, até de manhã..

o autor começa falando sobre grupos sanguíneos
passa a falar de cavernas e
logo estamos nas catedrais góticas..

ai ai pitágoras..

letrinha miúda...

uma lupa! alguém?

ui ui...

última semana..

domingo, 13 de dezembro de 2009

saudade da ausência



[Foto: Vanessa Komatsu]
Deixa ele viver sua vida.
Deixa ele viajar o mundo.
Deixa ele se ausentar.
Deixa ele virar presença assim..

Por cartões postais da infância..
Minha.



Deixa ele se deitar no colo de Deus..
como criança que sempre foi
desprotegida.
Criança crescida.
Meu pai.
Que amo.
Mesmo em sua grande ausência.


Sinto falta das ralas lembranças de riso
em seu rosto já envelhecido
Sinto falta do abraço que não mais acontece (eterno)
E se longo(lágrimas) como se o momento da perda seria breve...

Tão ausente sempre.
essa falta sempre tão presente,
em minha vida.

inteira.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

migalha nervosa

um nervosismo esquisito
sem porquê, sem origem, nem direção
(sinto-me) poesia inacabada.
migalha de pão amanhecido
de um sonho que foi mastigado
engolido.
digerido.
nada aflito.
calmo.
pacífico.
para alimentar.
o que o sonho quer dizer.
mesmo calando.
o mais forte desejo
o mais intenso carinho.
o menos sofrido dos fixados
no próprio umbigo.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Dias na praia

Sentar na areia da praia..
observar o sol fazer dourar as águas do mar..
caminhar de manhãzinha, fresquinho, sem quase ninguém na praia...
sentir os pés afundarem na areia molhada..
dar bom dia pra todo mundo que encontrar..
descansar ouvindo o som das águas e não mais dentro das conchas..
brincar de desenhar na areia meu nome...
fazer personagens pra conversar...
contruir castelinhos, catar conchinhas..
pular as pequenas ondas..
correr delas..
mergulhar quando a onde mais alta tiver chegando...
Delícias de passar uns dias das férias na praia...

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

.saudade nas férias.

[já que não consigo postar foto.
descrevo o que mais quero retratar para este texto.
uma pessoa, menino ou menina não importa.
sendo ser. ser humano. basta-me.
vista de costas. angulado para se ver parte do rosto..
debruçado sobre as pernas dobradas..
sentada. essa pessoa. com as mãos
uma sobre um joelho e a outra sobre o cotovelo do outro braço.
olhando para além-mundo.
sentada num chão de cimento cru.
encostada em uma borda de porta (que não sei qual o nome certo para.) clara.
sentindo mais que pensando.
pensando o que está vivendo.
só é instante.
e a foto acontece.
crie e leia com compaixão.]

eu ainda aqui nesta cidade
que não é minha.
que não sinto minha.
sentindo falta da minha.
que eu sinto parte minha.
onze anos parte de mim.
parques, amigos, momentos.
detalhes sem medo de serem percebidos.
mais que aqui.
que o medo consome pequenas belezas possíveis.
que muitas vezes não acontecem.
mas como meus olhos não conseguem se conter..
observo e amo. cada detalhe. mesmo que triste. mesmo que feio.
mas então.
eu aqui. nessa cidade que não é minha.
com saudades da família.
não só dos de laços sanguíneos.
mas os que quero pra vida inteira.
esses que tanto quero por perto.
mesmo longe. mesmo distante.
mesmo ocupados demais.
mesmo vivendo outras fases diferentes das minhas.
mesmo não nos vendo ou falando mais.
quero amá-los pra sempre.
e deles sinto falta.
e desejo mais que tudo agora revê-los.
essas pessoas especiais.
sentir o ar de São José.
respirar a beleza que a cidade produz aos meus olhos.
tocar com cada poro em cada parque.
deliciar-me no Sesc da minha cidade.
fotografar com mais paixão.
caminhar pelas noites.
assistir o espetáculo que é o pôr do sol do banhado.
sair pra dançar e rir a noite no pub mais que repetidamente.
visitar pessoas que há tempos não via.
reatar os laços que quero fortes.
mas no entanto.
pensar nisso tudo é demasiado perto do sentir tão forte.
da então saudade que já existe no peito.
da então saudade das pessoas que aqui estão.
do bom dia. das risadas. do carinho mesmo que tímido.
dos olhares que trocamos.
dos gestos desengonçados mas engraçados.
das bobagens que a gente fala.
das experiências e histórias que trocamos.
das casas que conheci.
das casas que mais frequento.
do estress compartilhado.
da mobília desta casa que não é minha, mas já faz parte de mim.
dos abraços que não recebo.
desse jeito das pessoas daqui.
que aos poucos me conquistam.
que aos poucos se deixam conquistar.
que aos poucos conquisto.
que marcam. que já sinto saudade.
que já sinto a falta que sentirei daqui uns dias.

no fim de tudo.
sinto falta de quem não mais verei e que prezo demais a presença.
em minha vida.
a existência nesse meu peito.

domingo, 6 de dezembro de 2009

better places..

walking with a friend..

sento-me sozinha.
sinto falta de alguém.
que nem sei se existe.
se também sente minha falta.

de cantarolar pelas ruas.
fazer caminhadas noturnas em silêncio.
de mãos dadas.

sem preocupações.
esquecer do mundo e dos problemas.
sentir. ser. estar.

terça-feira, 29 de setembro de 2009



[Foto: Vanessa Komatsu]

re[member]
just it

and I like that
I like u

agora ansiosa por uma conversa
decisiva
incisiva
corrosiva

finita

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Fonte: Imagem capturada de um blog... um artista..



Sabe quando a gente entende tudo errado?


Ou não entende nada e finge que entende


e acaba fingindo tão bem que acaba acreditando?


Acaba criando uma realidade monstruosa


destruidora, devastadora..


Sonhos desabam... desusam de acontecer...


Desilusão e desistência.


A capacidade que algumas pessoas de nos fazerem bem e ao mesmo tempo fazer tão mal a outrem... por não enxergarem simples coisas além do egoísmo e do que realmente poderia ser além do que TODO MUNDO PODE ACHAR! E as vezes nem é de fato o que todo mundo pensa..


São só desculpas..


O tempo vai dizer muita coisa... O tempo diz muita coisa!


Faz a gente perceber as coisas e pessoas que perdemos... o que era e é realmente importante! O que já acabou faz tempo, mas a gente insiste em persistir NAQUILO.. seja lá o que for... nem que seja o feijão carunchado que vc pegou e nunca mais comeu por causa daquele único grão...


Botar defeito e criar frustração...


Certas coisas de fato não existem.. e "certas" pessoas acreditam fiamente.. (quase uma fé maior!) que elas existem e sempre existiram... e que muitas coisas belas.. não existem nem em sonhos...


Aceitação.. Cansaço..


Desânimo..




Se não fosse o silêncio que ainda acontece no lugar das marcas que ficariam se houvessem palavras... (mais desastrosas que nunca!)


Certas pessoas não se torcem nunca antes de machucar alguém... antes de provar uma picada de seu veneno, a SUA "verdade"

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Contem o que contêm..

Se eu dançasse...
Melodia.
Se eu escrevesse...
Tudo..
Se eu dissesse tudo que não convém.
Vontade.
Explodiria em cores..
Artifício!
Seria sabores jamais provados antes..
Aroma!
Por qualquer ser aqui existente..
Raridade
Seriam únicos e breves
Verdades momentâneas
Momentos de felicidade profunda
Sopro
Um mastigado de vento e pó..
Cintilando uma beleza transparente
Cirandando iria voar..
O tempo nunca iria alcançar..
A brincadeira se faria menos jocosa..
Se o riso fosse contido
Por um segundo a mais..
Contemplariam o secar da lágrima.
A beleza iria durar..
Por mais instantes..
Arejar os lábios
E com eles as palavras que se contém
No interior..
De uma borboleta que foge
Em direção a lua..
E ao encanto que ela mantém..
No mistério gostoso e fresco da noite..
O sorriso se refaz
Sempre com um buraco a mais..