terça-feira, 12 de agosto de 2008

Pra frente pra trás



Oras, memórias servem pra quê?!
Escrever. Me restam as horas vagas
porque vagas são as lembranças
e presente o meu recente passado...

caminhando pra frente revejo o que já vi...
lembro tão reais que ilusoriamente retratam ideais
ou piores ou melhores do que realmente foram pra mim
como se acontecessem de novo e a todo instante

nunca começo do começo
porque começaram por mim
por ME formarem antes da escolha própria
a audição as vezes atrapalha

o sorriso não se espalha mais
tem que esfregar o rosto pra descansar das faltas
da saudade que bate no peito de madrugada
acordo procurando um corpo quente ao lado

mas fria é a espera
e frio é o tempo dentro e fora da janela do quarto...
nos pensamentos dispersos, tristes. Imersa em ruídos.